quarta-feira, 29 de agosto de 2012


Eleições 2012
Prefeituras precisam continuar processo de redução da desigualdade.
Ideli Salvatti defende papel dos municípios nas ações de políticas públicas (Foto Richard Casas - PT)























Ao ser recebida nos estúdios da TVPT a ministra das Relações Institucionais da Presidência da República, Ideli Salvatti, falou sobre a redução da desigualdade no Brasil e das eleições municipais.

Ao gravar depoimentos de apoio aos candidatos do PT a ministra ressaltou que para o Brasil continuar no processo de redução da desigualdade é necessário dar continuidade aos programas de distribuição de renda associando-os às ações sociais como tem sido nos últimos anos.

“Desde 2003 quando Lula começou a transformar o Brasil e agora com a presidenta Dilma o governo federal trabalha para que a distribuição de renda seja mais justa e os programas sociais fossem ampliados para levar, aos brasileiros, mais educação, mais saúde, maior segurança e mais oportunidades de emprego”, afirmou a ministra quando declarou apoio aos candidatos petistas.

O direito à cidadania foi garantido na Constituição Federal em 1988. Mas só agora o povo brasileiro esta vivendo de fato esses direitos na avaliação da ministra Ideli Salvatti, que vê nestas eleições a oportunidade de mais mudanças e consolidação da cidadania.

“Esse novo Brasil de Lula e de Dilma cresce e se fortalece em cada cantinho do nosso país, e para isso acontecer na sua cidade com mais força e mais resultados é importante apoiar quem está sintonizado com esse projeto nacional”, afirmou a ministra.
Clique aqui para acessar e compartilhar os materiais digitais do PT.
_________________________________________________________________________________


Ministro da Saúde cita importantes ações governamentais em apoios gravados para candidatos e candidatas do PT



Com mais de cinco mil municípios, o Brasil vive um momento muito importante, um contexto político diferenciado.  Em outubro, a escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores tem o sentido de, entre outros fatores, buscar melhor qualidade de vida, cidadania e administração participativa.
O ministro da saúde, Alexandre Padilha, que também foi ministro de Relações Institucionais no governo Lula declarou nas gravações de apoio:
“No governo do presidente Lula abrimos as portas de Brasília aos prefeitos e prefeitas e Juntos reduzimos pela metade a mortalidade infantil e criamos o Samu”. Ele explicou ainda que o Samu vai chegar no interior e que a rede cegonha foi criada, nas palavras de Padilha: “... para dar qualidade há um momento tão especial que o nascimento de uma criança”.
O ministro informou ainda que mais de dois milhões de pessoas já são atendidas por mês nas UPAS 24 horas e mais 25 mil unidades de saúde nos bairros estão sendo construídas e ampliadas e em um ano o sistema de saúde do governo federal aumentou para quase 3 milhões de pessoas beneficiadas.
“Nosso novo esforço é atender mais rápido quem precisa de uma prótese dentária, cirurgia de catarata, varizes e próstatas e é trabalhando junto com os municípios que vamos conseguir desafogar os hospitais e garantir mais qualidade no atendimento a saúde”, afirmou Padilha ao ressaltar a importância da eleição da presidente Dilma Rousseff, para dar continuidade nas ações do governo federal .
“Em 2010 elegemos a primeira mulher para governar o país. Estamos avançando ainda mais e como ministro da saúde da presidenta Dilma, estamos ampliamos os programas como a distribuição gratuita de medicamentos para hipertenção, diabetes e asma, no “aqui tem farmácia popular, ao pedir que nas eleições municipais seja escolhido um candidato do PT, Alexandre Padilha ressaltou que a parceria com o município é fundamental para que este avanço chegue até a população. Ao declarar seu apoio Alexandre Padilha citou Doutor Santana em Juazeiro do Norte, Fernando Haddad em São Paulo entre outros candidatos a prefeitos.
Clique aqui para assistir os vídeos gravados pelo ministro Alexandre Padilha.
Clique aqui para conhecer os outros materiais digitais do PT.
(Neide Freitas – Portal do PT)



















PSDB: sair da base de apoio ao governo não limparia biografia

O abandono da coalizão não livraria os tucanos da associação com Temer e poderia ser considerada como um ato oportunista pelo eleitorado ...