sábado, 9 de abril de 2016

Deputado Eduardo Cunha é o novo presidente da Assembleia Parlamentar da CPLP. (Ser Corrupto é Prêmio)





Presidência da assembleia é rotativa e a escolha é feita de forma consensual entre os membros.

Mesmo cheio de acusações de IMPROBIDADES, desvio de conduta e indiciado para responder ao Conselho de ética da Câmara de Deputados, o “EXCELENTÍSSIMO SENHOR Deputado Eduardo Cunha é o novo presidente da Assembleia Parlamentar da CPLP. Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (AP-CPLP). 

Cunha ficará no comando do órgão até 2018. A presidência da assembleia é rotativa e a escolha é feita de forma consensual entre os membros. Antes, ocupava o cargo o presidente da Assembleia Nacional da Angola, Fernando Piedade Dias dos Santos. A Presidência da assembleia é rotativa e a escolha é feita de forma consensual entre os membros.

Estavam presentes parlamentares de Angola, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, além dos brasileiros. O presidente Eduardo Cunha ressaltou que é preciso redobrar os esforços no sentido de consolidar a instituição e fazê-la intérprete das aspirações democráticas condensadas nos Parlamentos membros.
Infelizmente isto prova que, a falta de ética, a irresponsabilidade e a falta de decoro, é o melhor caminho para se alcançar cargos relevantes dentro da política Brasileira.E eles ainda tem coragem de bradar pedido de impeachment da Presidenta Dilma, e impetrarem recursos que impeçam o Ex-Presidente Lula de tomar posse no corpo de ministério da Dilma.

É Deputado Eduardo Cunha, “O POVO REALMENTE MERECE RESPEITO!” Só que não do Senhor e de seus asseclas.
E assim vamos levando a vida, com a corrupção, a leviandade, a falta de pudor e ética, a Governar e legislar neste Pais das Maravilhas, conhecido como BRASIL!
Gutemberg Landi
09.04.2016



(Alguns trechos do texto deste Artigo, foram extraídos da reportagem original, publicada no Boletim da Câmara Dos Deputados com a assinatura de: Lianna Cosme)









PSDB: sair da base de apoio ao governo não limparia biografia

O abandono da coalizão não livraria os tucanos da associação com Temer e poderia ser considerada como um ato oportunista pelo eleitorado ...